domingo, 22 de maio de 2011

Por que deve o FMI continuar em mãos europeias

“Dominique Strauss-Kahn está fora de jogo e, agora, está em curso uma controvérsia extremamente delicada para designar o seu sucessor na presidência do Fundo Monetário Internacional. Não porque o homem em si seja insubstituível. Apesar da qualidade incontestável dos resultados que obteve e da sua reconhecida competência para gerir o melhor possível as situações de crise, há outras pessoas igualmente qualificadas para ocupar o seu lugar.


O FMI, durante muito tempo adormecido, não voltou a ser o bombeiro do mundo apenas graças ao seu presidente. Se ficou de novo no centro do jogo, foi também devido a acontecimentos excecionais, o primeiro dos quais foi a crise financeira de 2008, a que se seguiu a crise do euro. Uma vez que esta última está ainda em incubação, não é difícil compreender a determinação dos europeus em querer a todo o custo que seja um dos seus a ocupar o cargo.


O resgate da Grécia e, de um modo mais geral, a crise da moeda única irão preencher quase a tempo inteiro os dias do futuro patrão do FMI. A assistência técnica e financeira desta instituição é indispensável para a gestão deste dossiê complexo, que ultrapassa largamente o quadro do Velho Continente. Porque, ao contrário do que afirmam perentoriamente alguns pirómanos, ninguém pode avaliar as consequências que a explosão da zona euro teria sobre o resto da economia mundial.


A situação requer um conhecimento profundo dos mecanismos comunitários e uma perfeita compreensão das especificidades políticas locais. Considerar que um europeu está em melhor posição do que um asiático ou um sul-americano para tratar de um assunto tão sensível não é ofender ninguém.


E não é trair nenhum grande segredo considerar que Christine Lagarde, que está familiarizada com o assunto e com muitos outros que envolvem o FMI, apresenta aos olhos de todos um perfil feito por medida. Depois, chegará o dia em que, como prometido, um representante de um país emergente acederá às mais altas funções.


A globalização da economia, a alteração das relações de força justificam essa passagem de testemunho, que implicará de qualquer modo que algumas grandes potências como a China deixem de agir de forma isolada e se preocupem com o resto do mundo. Mas, para já, trata-se de gerir uma situação de emergência.”

-Gaëtan de Capèle

in http://www.presseurop.eu/pt/content/article/666491-por-que-deve-o-fmi-continuar-em-maos-europeias



Etiquetas:

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial