quinta-feira, 28 de julho de 2011

União Europeia estuda reforço da vigilância a grupos extremistas

28/07/2011

"Peritos em terrorismo da União Europeia admitiram esta quinta-feira a possibilidade de reforçar a vigilância dos grupos extremistas na Internet, mas reconheceram que os recentes atentados na Noruega são "difíceis ou mesmo impossíveis" de evitar.

Estes dois temas dominaram a reunião extraordinária em Bruxelas onde participaram especialistas do grupo de trabalho sobre terrorismo (TWG) e do grupo responsável pelos aspectos externos da União, convocada na sequência do duplo atentado na Noruega.

A introdução de novas restrições para a venda de armas e produtos químicos susceptíveis de serem utilizados no fabrico de explosivos foi outra medida analisada no encontro.

No final, o funcionário da UE Timothy Jones advertiu sobre o "enorme risco" de que alguém tente levar a cabo no espaço da União um atentado "de imitação e apoio" aos registados sexta-feira em Oslo e na ilha de Utoya.

"Trata-se claramente de uma possibilidade, a questão é saber como e onde teria lugar o ataque e se é ou não detectável", referiu Jones, conselheiro principal de Gilles de Kervhove, o coordenador antiterrorista dos 27.

Para o evitar, os peritos europeus propõe melhorar a coordenação entre as autoridades e os Estados-membros, através de medidas concretas como a restrição da venda de produtos químicos e um maior controlo na venda de armamentos.

Nesse sentido, a Comissão Europeia prevê apresentar nos próximos meses uma proposta normativa para controlar a venda de produtos químicos, para além dos esforços que vão ser efectuados para "entender os processos psicológicos e sociológicos que fazem com que algumas pessoas traduzam em violência as suas ideias políticas", como explicou o perito comunitário.

Assim, o executivo da União vai propor no próximo mês de Setembro a criação de uma rede europeia que agrupe especialistas do mundo académico e trabalhadores de instituições e ONG de prevenção de grupos extremistas, para "melhorar as trocas de informações", explicou Jones.

Ao ser questionado sobre a eventualidade de as autoridades europeias terem subestimado estas ameaças ao centrarem-se prioritariamente no terrorismo islâmico, o perito assinalou que a UE "tem que estar atenta a todos os tipos de terrorismo".

Num comunicado sobre a reunião desta quinta-feira, o Conselho da UE afirma que o terrorismo "não tem nenhuma relação com qualquer religião ou crença" e afirma que os membros da União sempre rejeitaram a violência "sem terem em consideração se são motivadas por ideologias extremistas de esquerda ou de direita, separatistas ou religiosas".

A nota também solicita que se preste "mais atenção" ao que denominam por "terrorismo dos lobos solitários", indivíduos "auto-radicalizados" e sem qualquer vínculo aparente a organizações violentas.

Neste contexto, os mesmos responsáveis também admitiram a dificuldade de prevenir atentados semelhantes ao registado na sexta-feira na Noruega.

O extremista de direita Anders Behring Breivik foi detido na ilha de Utoeya, a 40 quilómetros de Oslo, onde matou 68 pessoas algumas horas após ter cometido um atentado com explosivos contra a sede do governo norueguês na capital, que provocou oito mortos."

In Jornal de Notícias


Embora esta notícia seja bastante longa, dedici postá-la na íntegra. Tal deve-se ao facto de abordar uma das questões em que a UE ainda não está tão bem organizada: a segurança. Infelizmente, foi necessário uma tragédia destas ter acontecido num país europeu para que o assunto fosse discutido de forma tão detalhada. Condolências à Noruega.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial