segunda-feira, 7 de julho de 2008

A população mundial

Como alunos de Estudos Europeus não podemos olhar só para o "nosso quintal".


Queria lançar aqui o debate sobre algumas questões que não são tão debatidas como deveriam no nosso curso.

São as questões demográficas do mundo, a distribuição da riqueza (norte-sul/ ricos-pobres) e as condições de vida actuais e futuras no mundo, tendo em conta também as alterações climáticas.


Deixo uns dados para comentarmos e discutirmos:


POPULAÇÃO MUNDIAL EM 1950: 2,5 mil milhões de pessoas
POPULAÇÃO MUNDIAL ACTUAL: 6,7 mil milhões pessoas


POPULAÇÃO ESPERADA EM 2025: 8,1 mil milhões pessoas


POPULAÇÃO ESPERADA EM 2050: 9,1 mil milhões pessoas


Acho importante referir a previsão de que em 2070, 70% da pop.mundial esteja a viver em cidades...
(Actualmente penso que estamos nos 50% mas não tenho a certeza)

Para a distribuição da população pelo mundo e mais dados vejam aqui.
Video com o presidente do Painel de investigação das Nações Unidas sobre as alterações climáticas ("IPCC"):
O muito interessante e completo site dos relatórios do Desenvolvimento Humano (HDR) das Nações Unidas:
O acesso à agua será uma das questões mais importantes do séc.XXI ?
Então agora comentem, expressem a vossa revolta, ideias para solucionar problemas, etc.
Participem por favor, mesmo que já sejam férias (para alguns) não podemos adormecer o nosso cérebro.
Abraços algarvios!
Hugo Mendes
p.s - Seria muito interessante a contribuição dos colegas que fizeram Geografia da População Europeia, que estão certamente muito despertos para as questões demográficas!

Etiquetas: , , , ,

4 Comentários:

Às 12:36 da manhã , Anonymous Miguel Ribeiro disse...

A água já é motivo de conflito em muitas partes do mundo. Aliás, em muitas partes já é mais importante que o ouro negro, imagine-se daqui a uns anos com a escalada da população e a maior escassez de recursos. Apesar da diminuição da fecundidade e fertilidade em países do Primeiro Mundo, nomeadamente na Europa, nota-se um aumento tremendo da população. O problema reside sobretudo no Terceiro Mundo, com a falta de informação e promiscuídade. Mas isto não é novidade para ninguém. O problema é arranjar soluções viáveis para reverter a situação. Um dos motivos principais para o aumento populacional provém dos avanços na medicina. Anteriormente, certas doenças ou deficiências condenavam de imediato um nado-vivo. Hoje, porém, o conceito de sobrevivência do mais forte já não se aplica. A todos é dada uma hipótese de viver. (continuarei brevemente com mais comentários, não quero impôr textos enormes).

 
Às 8:42 da tarde , Anonymous Anónimo disse...

Se a população aumentou 4000 milhões entre 1950 e 2000... e vai aumentar 2000 milhões entre 2000 e 2050... acho que vamos ter é que começar a preocupar-nos com as taxas de natalidade em queda!

Quanto à água, tenho a certeza que o ser humano será capaz de achar uma maneira economicamente rentável de transformar 66% da superfície deste planeta em água potável ainda nas próximas décadas. Mas provavelmente ainda assistiremos a alguns conflitos em volta dela.

Quanto aos combustíveis... creio que energias renováveis e avanços quer na energia nuclear, quer na biotecnologia (criar biodiesel através de algas, extrair energia da sua fotossíntese, etc) permitir-nos-ão ultrapassar o barril-de-petróleo-a-500-dólares, mantendo pelo menos o status quo energético.

Quanto à ignorância... acho que ainda não há panaceia contra isso. Só se um dia todos os Mugabes ou Jacob Zumas do mundo desaparecerem...

 
Às 10:37 da tarde , Anonymous Miguel Ribeiro disse...

A transformação da água do mar em água potável já ocorre, sobretudo em países ricos do Médio Oriente. O grande problema no momento é que requer imensas quantidades de energia e os custos são astronómicos. Quanto às energias propriamente ditas, realmente terão de haver grandes avanços. Afinal de contas, uma simples célula fotovoltaica nos painéis solares só tem cerca de 28% de eficiência! (isto nas células baseadas em silício), portanto há muito espaço para melhorar.
Estes preços inflacionados do crude hoje em dia têm como principal culpada a especulação. Peritos afirmam que as reservas chegam para uns bons 40 anos e que os custos de produção mantêm-se praticamente inalterados. Quanto a essa das algas já decorrem estudos quanto à sua viabilidade como combustível e até como potenciador da descida de temperatura do planeta (mais sobre este assunto depois).
To be continued...

 
Às 1:01 da tarde , Anonymous Anónimo disse...

sim o crescimento da população mundial é sem dúvida um factor a ter em conta, sobretudo se tal como tudo indica resultar no aumento e numa concentração excessiva das zonas urbanas, no entanto tal como o colega anónimo referiu constata-se que o ritmo de crescimeto da população mundial tem vindo a diminuir, de 1950 a 2000 aumentou de 2,5 mil milhões para os 6 mil milhões, o que faz um aumento de 3,5 mil milhões e em percentagem num aumento de 120%. Enquanto de 2000 para 2050 a população irá aumentar de 6 mil milões para 9 mil milhões, isto é, um aumento de 3 mil milhões em valores absolutos e 25% em valores percentuais. É evidente que esta redução é menos evidente no continente africano, onde por exemplo tanto a Somália como a Etiópia dois dos países que mais sofrem problemas de pobreza viram a sua população duplicar nos últimos 15 anos. Na minha opinão não sei se a poluação mundial podería continuar a crescer ao ritmo da 2ª metade do século passado, sinceramente acho k não, quanto ao problema da natalidade nos países que sofrem de baixas taxas de natalidade acho que acabará mais por passar pela imigração do que por políticas de apoio à natalidade, por mais que eu seja a favor das políticas de incentivo à natalidade, não vejo reais aumentos da natalidade nos países onde estas políticas foram implementadas,

Gonçalo Dinis

 

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial